6 tendências para um marketing digital mais humano

Tempo de leitura: 6 minutos

Muito se fala em humanização das marcas, nas redes sociais com voz e personalidade quase que “humana”. Mas o que de fato é ser humano? Antes de qualquer coisa, ser humano é ter personalidade, opinião e relacionamento. À partir disso, o nosso discurso começa.

Hoje existem muitas empresas que desenvolvem e divulgam o seu trabalho nas redes sociais. Outras, que não se sabe bem o porquê, não enxergam valor nas plataformas digitais.

As grandes marcas entenderam a linguagem, as características, perfis do público que usa esse tipo de plataforma e assim, conseguiram ficar mais próximas do seu público. E descobriram que a rede social pode ser uma grande aliada no desenvolvimento do negócio, sejam através dos elogios ou das críticas.

Mas, parece que estamos vivendo uma coisa diferente. Não vivemos só uma era de mudança, mas uma mudança de era. Os ventos estão indo para outro lugar e as pessoas também. Entender que o profissional digital, social medias, conceptors, analistas e outras nomenclaturas devem largar a zona de conforto de ser uma POSTIANE (daqueles que só faz post e fica ligada nos memes da galera, esse profissional tá mais que saturado) e entender que o digital tem que ter cada vez mais consistência e enxergar o lado humano da coisa.

Pensando dessa forma, listei 5 tendências, que na minha opinião, vão diferenciar a forma como a gente pensa/cria conteúdo na internet:

1. Marcas que educam

Você já parou pra conversar com alguém que entende muito sobre determinado assunto que você talvez nem tinha ouvido falar e você acabou saindo uma pessoa melhor dessa conversa? Aprender algo nos deixa mais motivados e estabelece uma relação mais solida com aquele que ensina. E se as marcas pensassem dessa forma? Cada post, vídeo, conteúdo produzido, servisse para ensinar algo novo ao seu público? O quanto de valor seria gerado para o seu negócio e no cotidiano desse fã. Educar e aprender com conteúdo de qualidade é a grande tendência. E isso é um dos pilares de uma vertente (e super tendência) é o marketing de conteúdo, que é produzir conteúdo valioso (com base nas dúvidas e interesses do seu público) para engajar, envolver e gerar valor para a sua marca para se construir uma percepção positiva pra ela.

2. A narrativa das marcas e a experiência dos usuários

Storytelling é um termo super discutido hoje em dia. Contar histórias, compartilhar pontos de vista e criar narrativas, de fato, tem um poder sem precedentes. Mas, como criar projetos que envolvam as pessoas e sejam relevantes o suficiente para que sejam compartilhados organicamente? Marcas que saiam do pedestal e mostrem que por trás delas existem pessoas e rotinas já nem é mais uma tendência, mas merece estar aqui porque daqui para a frente, vamos presenciar a potencialização disso.

3. Tempo real – O “agora” vale muito

A nossa sociedade é extremamente imediatista. Fomos criados assim e você acha que a evolução digital não contribuiu para isso? Pois foi ela que potencializou esse comportamento. E isso é totalmente claro na popularidade do Snapchat, Periscope, Instagram e outras plataformas que priorizam as publicações em tempo real.

4. Conteúdo massificado? Não, personalizado.

Ok pare com isso

As redes sociais é um mar de gente. Aspectos culturais, comportamentais, nichos de mercado, comunidades e etc. Há tempos entendemos que no digital não mais existe a “massa” de público e sim, indivíduos diferentes usando plataformas comuns. 74% dos usuários* saem frustrados quando o conteúdo que encontram nessas plataformas não supri a necessidade e a curiosidade. O público que queremos entender está se tornando cada vez mais exigente e segmentado. E por isso, o conteúdo personalizado é uma tendência real e deve ser dada a sua devida importância.

5. Conteúdo da audiência

O consumidor de hoje é, como diria a minha querida “avó”, (você pode saber um pouco mais sobre ela nesse post. E lembrando que hoje é o dia delas, parabéns para elas!) “Vacinado” contra a publicidade tradicional. Eles já experimentaram toda forma de comunicação e podemos enxergar uma saturação de informação nas redes sociais, o que afasta qualquer possibilidade de as marcas participarem de um diálogo com o público.

Não importa o quão um negócio é relevante e parece ser importante para o mercado, as pessoas querem relacionar com uma marca não porque o produto é bom ou a propaganda é bonita, mas se os valores nos quais essa marca acredita é relevante e se mostra autêntico. Mas como ser autêntico? Ou melhor, ser visto como se fosse uma pessoa por trás das marcas com desejos, paixões e opinião? Uma excelente estratégia é convidar o publicar a participar do discurso e permitir que eles também produzam conteúdo.

UCG, na siga em inglês, significa “Conteúdo gerado pela audiência”, que abre a possibilidade para as marcas desenvolverem o marketing através da colaboração dos seus consumidores. Todo e qualquer post, foto, vídeo produzido pela audiência pode ser usado como estratégia de marca.

Bônus para você que conseguiu chegar até aqui:

OS: O título desse texto é “5 Tendências para construirmos um marketing digital mais humano”. Coloquei “5 tendências” porque em listas, prefiro números ímpares, mas na verdade, eram 6.

6. Smartphones? Segunda tela? Acho que não mais.

No centro acadêmico, principalmente nos campos de estudo de mídia e redes sociais, o celular era visto até hoje, segundo alguns teóricos, como a segunda tela. Enquanto os usuários assistiam a televisão ou usavam o computador, estavam utilizando o celular, entre essas atividades.

Os smartphones estão ganhando cada vez mais protagonismo. Hoje, 75% das entradas** no Facebook provem da publicidade móvel e é evidente que esses aparelhos se tornaram o centro das atenções. Embora grande parte do consumo de informação, compras e navegação ainda seja pelo computador, o primeiro contato que o público tem com as marcas hoje, é pelo celular. Estamos cada vez mais conectados com esses aparelhinhos, parece que Marshal Macluhan estava certo. De fato, hoje, os smartphones, computadores são extensões do nosso corpo.

Essas tendências foram escolhidas a partir de uma visão pessoal sobre o comportamento atual das marcas e pessoas nas redes sociais. Então, quero saber, o que na opinião de vocês é importante e o que é tendência. Agora é sua vez, vamos lá, coloca aí nos comentários a sua critica, elogio ou opinião sobre o post. Ouvir vocês é muito importante!

* e ** http://br.hubspot.com/blog/16-tendencias-de-marketing-digital-para-2016

 

cta_storrytelling